Infertilidade e Tabagismo

Já falei aqui no Blog sobre diversos fatores que podem interferir na fertilidade. Alguns são consequências de alterações fisiológicas ou anatômicas, outros decorrentes de traumas e problemas adquiridos. Hoje, destaco um fator externo importante e comum em muitas mulheres: o tabagismo.

Inúmeros estudos mostram que além de todas as doenças respiratórias decorrentes do cigarro, esse hábito também pode ser responsável pela queda das taxas de fertilidade, tanto na mulher quanto no homem.

Mulheres que começam a fumar muito cedo, por exemplo, tendem a demorar mais para menstruar pela primeira vez, mas entram mais cedo na menopausa, o que diminui o tempo fértil da mesma e dificulta a concepção.

O tabagismo ainda pode causar alterações hormonais, desregular o ciclo menstrual e dificultar a fixação do embrião no útero, o que aumenta as chances de aborto.

No homem, os efeitos do cigarro também são maléficos para a concepção. Isso porque, o vício afeta a qualidade dos espermatozoides e os torna mais lentos, e isso é umfator relevante para infertilidade.

Ademais, a presença constante das substâncias nocivas do cigarro no organismo é prejudicial para pacientes que se submetem a métodos de reprodução assistida. Geralmente, mulheres fumantes precisam do dobro de fertilizações para conseguir uma gestação, em comparação com às não tabagistas.

Além de prejudicar a fertilidade e concepção, a exposição à droga durante a gravidez pode trazer consequências relevantes para o desenvolvimento do feto. Pesquisas comprovam maior probabilidade de alterações genéticas importantes no DNA do embrião e aumento das chances de aborto e prematuridade em bebês sensibilizados ao cigarro ainda no útero.

Por isso, se você fuma e tem vontade de engravidar, procure orientação médica e suspenda o uso do cigarro imediatamente. Assim, você preserva a sua saúde e garante uma gravidez segura e saudável. Cuide-se! 
 

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

0 Comentários