Entenda o que é e como tratar o descolamento de placenta

Olá! Hoje eu vou falar sobre um assunto muito importante, e, mais comum do que imaginamos: o descolamento de placenta.

A placenta é um órgão fixado no útero, que se desenvolve especificamente na gravidez com a função de prover nutrientes e enviar oxigênio para o feto. Quando um pequeno pedaço dessa estrutura se descola da parede uterina, forma-se então, o descolamento de placenta.

Essa é uma condição grave, que tem que ser acompanhada de perto e que pode causar sangramentos na gestação e interferir no crescimento fetal, na oxigenação e entrega de nutrientes para o bebê. Esse problema é responsável por cerca de 25% dos partos prematuros, mas em casos extremos pode até levar ao óbito fetal. É mais comum no terceiro trimestre de gestação, mas pode ocorrer desde a 20º semana.

Não se sabe ao certo as causas do descolamento de placenta, mas sabe-se que alguns fatores podem aumentar o risco para a patologia. São eles:

- Descolamentos em gestações anteriores;

- Hipertensão crônica ou pré-eclâmpsia;

- Problemas de coagulação sanguínea;

- Rompimento prematuro da bolsa;

-Excesso ou falta de líquido amniótico;

- Gestação Múltipla;

- Uso de tabaco e/ou álcool;

- Idade;

- Infecções.

Caso ocorra um desses fatores de risco, é importante ficar atenta aos sintomas que podem indicar um descolamento de placenta. Os principais são:

- Sangramento Vaginal (pode ser em pouca quantidade ou em maior volume);

- Desconforto e dor lombar;

- Cólicas abdominais súbitas e dores no útero;

- Contrações frequentes e próximas e o rompimento precoce da bolsa.

Tratamento

Após o diagnóstico do descolamento, deve-se iniciar o tratamento imediatamente. Se o problema ocorrer de forma prematura – entre a 20ª e 30ªsemanas – é indicado o tratamento com medicamentos para conter o sangramento e em alguns casos para conter as contrações se a paciente entrar em trabalho de parto.

Nesses casos, a indicação é repouso absoluto e aguardar o amadurecimento do bebê para que o parto ocorra. Pode ser recomendado que a paciente tome injeções de corticoide para acelerar a formação dos pulmões.

Quando a gravidez já progrediu bastante (a partir de 34 semanas), pode ser necessário adiantar o parto.

Cuide-se e cuide de quem você ama!


 

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

0 Comentários